Crise no setor leiteiro em pauta no 1º Fórum do Leite do Parlasul

09/12/2019 (Atualizado em 09/12/2019 | 18:57)

Os principais problemas enfrentados pela cadeia produtiva serão debatidos no 1º Fórum do Leite do Parlasul (Parlamento do Mercosul), nesta terça-feira (10), em Montevidéu. O encontro, o proposto pelo deputado Heitor Schuch, reunirá deputados, senadores e representantes de governos e entidades de Brasil, Uruguai, Argentina e Paraguai. “É preciso tomar posição frente ao acordo comercial entre Mercosul e União Europeia e também discutir a criação de cotas de importação, um assunto espinhoso, porém absolutamente urgente”, afirma Schuch, lembrando que, pela primeira vez, em 28 anos, o assunto leite estará em debate nesse colegiado.  “Só isso já pode ser considerado um avanço importante”.
 
Na delegação brasileira estão confirmadas as presenças do vice-presidente da Fetag, Nestor Bonfanti, edo coordenador geral da Fetraf, Rui Alberto Valença, e do vice-presidente do Sindilat, Guilherme Portella dos Santos.
 
O deputado destaca que, apesar das inovações tecnológicas que vêm sendo implementadas em toda a cadeia do setor lácteo, em especial nas propriedades rurais, a competitividade, seja no processo de produção ou na comercialização, é impactada por um conjunto de fatores que afetam de maneira desigual os países integrantes do bloco, com destaque para o tamanho da carga tributária incidente sobre os insumos e processos, questões de legislação ambientais, de infraestrutura e logística e climáticas. “No Brasil atravessamos uma crise sem precedentes que tem a ver, também, com a questão da importação. Ou enfrentamos esse debate agora ou, no ritmo que vai, restarão poucos produtores na atividade”, alerta.
 
De acordo com levantamento feito pela Emater em quatro anos, o Rio Grande do Sul perdeu 33,53 mil produtores de leite. O número representa recuo de quase 40%. De 84,2 mil em 2015 caiu para 50,66 mil em 2019. A maior parte da redução foi entre produtores com média de produção (de até 50 litros por dia): 70% a menos em quatro anos.


Fonte: Comunicação/Deputado Heitor Schuch

PESQUISA

ASSINE NOSSA NEWLETTER