Município de Passo Fundo chama atenção para uso racional de água

07/05/2021 (Atualizado em 10/05/2021 | 13:15)

A falta de chuvas e o desperdício de água impactam na baixa dos reservatórios locais

Foto: Reprodução
Foto: Reprodução

No fim de abril, Passo Fundo acendeu o alerta para a possibilidade de racionamento da água. A medida pressupõe que existe menos recurso disponível em relação à demanda. Frente a esse cenário, um grupo composto pela Prefeitura, Companhia Riograndense de Saneamento (Corsan) e Defesa Civil irá monitorar a condição dos reservatórios e trabalhar em ações de conscientização.

De acordo com o superintendente regional da Corsan, Aldomir Santi, a estiagem é verificada em decorrência do fenômeno da La Niña e não há previsões para chuvas em grandes volumes. “A falta de chuvas e o baixo volume dos reservatórios locais preocupam, podendo ocasionar um racionamento eminente de água caso as condições climáticas não alterarem”, pontua. 

Hoje, segundo dados da Corsan, a barragem da fazenda da Brigada está 4,05 metros abaixo do normal. Já a barragem do Arroio Miranda também registra uma baixa de meio metro.

O secretário adjunto de Segurança e também coordenador da Defesa Civil, Ruberson Stieven, enfatiza que, além da questão das chuvas, neste momento, é importante que toda a população ajude a economizar água. O que determinará ou não o racionamento são, sobretudo, as condições climáticas. No entanto, é imprescindível que a população faça o uso racional e não desperdice”, enfatiza.

Nos próximos dias, a Prefeitura realizará um levantamento fotográfico no interior e um diagnóstico sobre o abastecimento nos distritos da cidade. A Corsan, que monitora diariamente a situação dos reservatórios, deverá encaminhar as informações para o grupo de acompanhamento. “Se não houver melhoras no abastecimento, o município poderá decretar situação de emergência”, destaca Ruberson.

Conforme a Defesa Civil, mais de 120 municípios do Rio Grande do Sul decretaram situação de emergência em razão da baixa disponibilidade hídrica.

Faça a sua parte
A população brasileira utiliza mais água por dia do que é necessário. No Brasil, cada pessoa usa cerca de 154 litros de água todos os dias, 34 a mais do que é considerado suficiente para atender às necessidades básicas.
Refletir sobre o desperdício e a economia de água é essencial para que se trabalhe o uso racional da água. Inúmeras tarefas do dia a dia podem gastar muitos litros do recurso. É preciso ficar atento e economizar:

- Cheque vazamentos em canos e não deixe torneiras pingando
Uma gota pingando a cada 5 segundos representa mais de 20 litros de água desperdiçados em apenas um dia.

- Reduza o tempo embaixo do chuveiro
Um banho de ducha com duração de 15 minutos, com o registro meio aberto, consome 135 litros de água. Se fecharmos o registro ao nos ensaboar e reduzirmos o tempo para 5 minutos, o consumo cai para 45 litros.

- Escove os dentes com a torneira fechada
Cinco minutos com a torneira aberta podem levar a um consumo de 12 litros de água.

- Reutilize a água da máquina de lavar roupas e da chuva ou adote o hábito de usar vassoura para lavar calçadas
Lavar calçada com a mangueira é um hábito comum e que traz prejuízos. Em 15 minutos, são perdidos mais de 275 litros de água.

- Economize as descargas
Em uma descarga, podem ser utilizados até 14 litros de água. Reduzir as descargas e adotar o sistema dual flush (com duplo acionamento) contribui com a economia de água.

- Não lave o carro com mangueira
Muita gente leva até até 30 minutos para lavar o carro. Com uma mangueira não muito aberta, gastam-se 216 litros de água. Com meia volta de abertura, o desperdício alcança 560 litros.
Para reduzir o consumo, utilize o balde para lavar o carro.

- Atenção na hora de lavar a louça
Limpe os restos de comida dos pratos e panelas com esponja e sabão e, somente depois, abra a torneira para molhá-los. Ensaboe tudo que precisa ser lavado e, então, abra a torneira para novo enxágue.

- Lavando a louça com a torneira meio aberta, em 15 minutos, são utilizados 117 litros de água. Com economia, o consumo pode diminuir para 20 litros.

Fonte: PMPF

PESQUISA

ASSINE NOSSA NEWLETTER