Prefeitura de Cachoeirinha propõe novo acordo para encerrar a greve

Miki Breier é prefeito pelo PSB
Miki Breier é prefeito pelo PSB

A prefeitura de Cachoeirinha poderá postergar por 60 dias a entrada em vigor do conjunto de medidas que ajustam as vantagens do funcionalismo municipal, caso os servidores em greve retornem ao trabalho. Neste período, governo e funcionalismo seguirão debatendo alternativas e procurando consensos.

A iniciativa do governo foi apresentada e debatida com o sindicato dos municipários para viabilizar o fim da greve e a retomada dos serviços à população. “O prefeito Miki Breier propõe esta alternativa para a solução da greve e para que se pense no futuro da cidade. Mesmo com as dificuldades financeiras, estamos propondo a vigência das medidas a partir de junho, permitindo um período de adaptação aos servidores. Buscamos aquilo que consensualiza, que restabeleça o ambiente de diálogo, inclusive para se buscar medidas compensatórias que possam modificar as propostas, sempre preservando a sustentabilidade financeira, os direitos dos servidores e, também, os de toda a população de Cachoeirinha”, aponta Juliano Paz, secretário de Governança e Gestão.

Na reunião, realizada na superintendência Regional do Trabalho, foi mediada pelo auditor fiscal do Trabalho, Marco Antônio Ballejo Canto.

Na ata que formalizou a proposta da Prefeitura para o final da greve, também se definiu que haverá negociação para a compensação dos dias parados e o estabelecimento de uma mesa de discussão permanente entre o Executivo e os municipários. 

Além de representantes do Simca e Simers, participaram das negociações e assinam o documento final os secretários Juliano Paz, da Governança e Gestão, Alex Branco, da Fazenda, e Pedro Francisco da Silva Filho, chefe de gabinete do prefeito.

Segundo Juliano Paz, o governo espera que a assembleia da categoria, que deve ocorrer na próxima terça-feira, acolhe este gesto, para que se restaurem os canais de diálogo e se possa pensar e agir naquilo que é melhor e mais importante para a cidade. 

Veja os pontos da proposta: 

- Prorrogação do início da vigência das leis aprovadas por 60 dias; 

- Lei do auxílio-alimentação passa a contar do dia 01 de junho;

- Criação de grupo de trabalho com representantes do governo e das categorias, que avaliará as condições financeiras do município, com o objetivo de buscar alternativas que atendam as necessidades apresentadas pelo Executivo e o conjunto de reivindicações dos servidores;

- Definição uma regra de transição para os percentuais dos triênios nas progressões por merecimento e por tempo de serviço;

- Discussão para a compensação dos dias de greve.

Fonte: Assessoria

PESQUISA

ASSINE NOSSA NEWLETTER